Arquivo da tag: livro

“Amar a leitura é trocar horas de fastio pro horas de inefável e deliciosa companhia” JFK

Fonte: Biblioteca do Senado.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Estudantes belgas deixam de capturar Pokémons para caçar livros

Livros Go

A brincadeira foi criada no dia 12 de agosto e, desde então, 47.848 pessoas estão inscritas no grupo dos caçadores de livros

Esqueça Bulbasauro, Charmander, Pikachu e outros monstrinhos. Depois da febre mundial de Pokémon Go, o que vem fazendo sucesso entre os belgas é a brincadeira Chasseurs de livres(Caçadores de Livros, em português).

Inspirada pela realidade virtual do jogo da Nintendo, Aveline Grégoire, a diretora de uma escola primária na cidade belga de Farcienne criou um grupo no Facebook para procurar livros nas ruas. O conceito é bastante simples: o jogador escolhe um livro que queira doar ou compartilhar com outras pessoas, deixa em um local público e de fácil acesso e então posta uma foto no grupo, indicando onde a obra foi deixada. Depois que a pessoa terminar a leitura, deve retribuir: devolver o tesouro ou abandonar outro livro para que um próximo jogador possa também possa ler.

Ok, não é tão high-tech quanto Pokémon Go, mas nem por isso é menos atraente. A brincadeira foi criada no dia 12 de agosto e, desde então, 47.848 pessoas estão inscritas no grupo dos caçadores de livros. As obras variam de clássicos e livros infantis à livros de autoajuda e romances eróticos – a maioria deles é doada em embalagens plásticas para ficarem protegidos das mudanças do tempo. Junto com o livro, muitos jogadores escrevem uma carta ao próximo leitor ou a instrução do grupo, que diz: “Sou um livro abandonado. Me capture, me leia e me liberte na natureza”.

Vendo a grande repercussão da brincadeira, a idealizadora, Aveline Grégoire, pensa agora em passar de fase e transformar o jogo em um aplicativo.

Se o leitor tiver sorte em encontrar os títulos certos, a caça aos livros pode realmente virar uma caça ao tesouro. Fonte: Super Interessante.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

7 de janeiro: dia do leitor

Fonte: Língua Portuguesa

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Livros: o que podemos doar e o que podemos jogar fora?

Todo final de ano é assim, precisamos fazer faxina em casa para poder decorá-la para o Natal e receber o ano que se aproxima com as energias renovadas. Mas o que podemos doar? O que podemos jogar fora?
Vamos falar especificamente dos livros. Se você tem livros em casa e já os leu e releu diversas vezes, mas são livros de literatura e que podem encantar outras pessoas, eles podem ser selecionados para doação ou troca. Muitas bibliotecas e projetos renovam seu acervo através desse tipo de atitude.

Infelizmente, às vezes, na pressa de separar o material e com tantas coisas para arrumar e fazer, as bibliotecas recebem muita coisa que não é de interesse bibliográfico. As pessoas acabam se confundindo e doam cadernos escolares, agendas usadas, cartas antigas, fotos, manuais de aparelhos eletrônicos, livros didáticos e técnicos com conteúdo ultrapassado, entre outras coisas, que com certeza não ajudarão a formar um acervo de biblioteca interessante à outros usuários. Por isso o cuidado que devemos ter na hora da seleção é fundamental. Devemos doar aquilo que gostaríamos de receber.

Pense nisso antes de fazer sua faxina e que o ano novo chegue cheio de vibrações positivas. Procure os serviços de sua cidade. Aqui em Araucária você pode doar na Biblioteca Pública Emiliano Perneta, na Biblioteca Municipal do CAIC e nas Minibibliotecas livres! Fonte: Bibliotecas do Brasil.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

O hacker e a literatura, por Moacyr Scliar

“Juiz solta piratas virtuais, mas exige que leiam obras clássicas. Para conceder liberdade provisória a três jovens detidos sob a acusação de praticar crimes pela internet, um juiz federal do Rio Grande do Norte determinou uma condição inédita: que os rapazes leiam e resumam, a cada três meses, dois clássicos da literatura. As primeiras obras escolhidas pelo juiz Mário Jambo, 49, foram “A hora e a vez de Augusto Matraga”, conto de Guimarães Rosa (1908-1967), e “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos (1892-1953). Jambo, que há três anos atua como juiz federal, disse que a Justiça precisa sair da “mesmice”.
Três condicionantes se relacionam à educação dos acusados: freqüentar instituição de ensino, comprovar presença e aproveitamento nas aulas, ler e resumir os textos indicados. Os três rapazes aceitaram as condições e já estão soltos. Como são peritos em internet, o magistrado determinou que os relatórios sobre as obras deverão ser feitos pelos jovens de próprio punho. Sobre a escolha das obras de Ramos e Rosa, o juiz destacou o caráter educativo. “Nada como ler um “Vidas Secas” para perceber o que é vida dura, o que é necessidade de dinheiro.'” Cotidiano, 23 de abril de 2008

QUANDO O JUIZ pronunciou a sentença, a primeira reação dele foi de revolta. Preferível a cadeia, disse para os pais e para o advogado. De nada adiantaram os argumentos deles, segundo os quais a decisão do magistrado tinha sido a melhor possível e, mais, um grande avanço na tradição judiciária; ele odiava leitura, odiava livros. Se pudesse, faria como os nazistas, que em Berlim queimaram milhares de volumes. Só que não se restringiria apenas a certos autores; queimaria todos os livros possíveis e imagináveis. Talvez deixasse de fora apenas as listas telefônicas. Mas não havia alternativa e de repente lá estava ele lendo Graciliano e Guimarães Rosa.

Foi uma revelação, uma experiência pela qual ele nunca tinha passado antes. De repente, estava descobrindo um novo mundo, um mundo que sempre lhe fora desconhecido. “Vidas Secas” simplesmente o fez chorar. Falava de uma gente heróica, gente que lutava como podia para poder sobreviver. Leu outros livros de Graciliano e Guimarães Rosa. Leu Machado, leu Lima Barreto, leu Clarice Lispector.
Leu os poemas de Bandeira e João Cabral, ele que antes achava poesia coisa de homossexuais. E de repente estava decidido: queria dedicar sua vida à literatura. Naquele mesmo ano fez vestibular para o curso de letras. Nunca fora um bom aluno, mas varou noites preparando-se para o exame. Foi aprovado, fez o curso, tornou-se professor -leciona na universidade. Os alunos adoram suas aulas: dizem que nunca se viu alguém falar de literatura com tanto entusiasmo, com tanta emoção. Mais: seu estudo sobre Graciliano é considerado exemplar.
Ah, sim, ele tem um sonho. Gostaria, como Graciliano e Guimarães Rosa, de ser um ficcionista. Tem na cabeça o projeto de um romance. É a história de um hacker que, entrando num site, descobre uma história tão emocionante que muda sua vida.
Uma história como o Graciliano Ramos escreveria, se, claro, fosse um ex-hacker.

Fonte: Folha

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Cobrador monta biblioteca em ônibus no DF

Ele se sensibilizou ao ver passageiros ficando até 90 minutos em coletivo.

O cobrador Antônio da Conceição Ferreira descobriu nos livros uma oportunidade de entreter passageiros que enfrentam até 90 minutos dentro dos ônibus diariamente para estudar ou ir ao trabalho em Brasília. O caixa do coletivo virou estante para clássicos como os de Clarice Lispector e Castro Alves, que passaram a ser cedidos por até três dias. O projeto ganhou o reconhecimento da Viação Piracicabana, e o rodoviário foi liberado da função há dez meses para expandir iniciativa para 30 coletivos.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência da Informação: Biblioteconomia e arquivologia

Cearenses criam aplicativo que promove venda, troca e doação de livros

  Raphael Ribeiro (à esquerda) teve a ajuda do holandês Reyndert Coppelmans para aprimorar a tecnologia. (FOTO: Bruno Gabriel)
Gratuita, a ferramenta está disponível para as plataformas Android e iOS desde agosto. O App foi  batizado de Yzye.
Começo de ano é sempre a mesma coisa. Pais e mães buscam uma forma de adquirir o material escolar dos filhos com um preço mais acessível. Para driblar os altos preços das livrarias, é comum a prática de troca de livros. Há feiras que promovem essa troca, além da venda de livros usados. No período da faculdade a preocupação é maior, porque os livros universitários costumam ser mais caros que os de ensino fundamental e médio. Como cearense busca solução para tudo, um aplicativo foi criado para venda, troca e doação de livros.
tribunadoceara.uol.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência da Informação: Biblioteconomia e arquivologia, Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Um livro pode transformar o seu mundo? Globo Repórter conta histórias de brasileiros apaixonados pela leitura

Um livro pode transformar o seu mundo?

Programa desta sexta (11) mostra a vida de quem conseguiu reescrever a própria história: são os loucos por livros!
g1.globo.com

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Vincent van Gogh era um leitor voraz. Essa é uma natureza morta com livros de Van Gogh

O Vincent van Gogh era um leitor voraz, leu as obras completas de diversas autoras e autores, alguns deles mais de uma vez. Essa é uma natureza morta com livros que Van Gogh pintou. Fonte: Bibliotecas do Brasil.

 Vincent loved writing and reading, he mastered different languages. Fonte: Van Gogh Museum  Image: http://bit.ly/Piles-of-French-Novels

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Youtubers criam canais de literatura e incentivam novos leitores na internet

Elas dividem impressões e discussão da literatura na internet. O G1 pediu a oito booktubers que respondessem à Tag  “Eu indico um livro”. O resultado você confere no vídeo do g1.globo.com

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Biblioteca altera rotina dos internos na Fundação Casa, em São Paulo

No primeiro semestre de 2015, a Fundação Casa da Vila Guilherme, responsável por realizar medidas socioeducativas com adolescentes infratores, uniu-se ao Instituto Brasil Leitor (IBL) para inaugurar a Biblioteca Jovem.

O contato com os livros tem alterado a rotina dos internos, e foi isso que o escritor Ferréz foi conferir, a convite do UOL. A ideia era que, além de conhecer o lugar, o autor de livros como “Capão Pecado” conversasse com os garotos e tentasse compreender como o livro e a leitura poderiam ser objetos de transformação.

“O livro abre a mente”, disse um dos internos, que também mostrou uma poesia escrita em homenagem à mãe. Continua. Fonte: UOL.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

‘Banca de Livro’ leva clássicos e lançamentos para áreas carentes no Rio

Bancas de jornal adesivadas ou grafitadas, com imagens coloridas de reproduções de capas de livros, começam a ser instaladas na cidade a partir do fim deste mês. Batizadas de “Bancas de Livros”, elas funcionarão como bibliotecas públicas: ficarão abertas diariamente para empréstimos gratuitos de títulos, e vão sediar eventos culturais, como oficinas de contadores de história. A primeira delas será inaugurada no Morro da Babilônia, no Leme, no dia 29, ao lado da associação de moradores. As outras quatro serão abertas até novembro, sempre em locais próximos a favelas ou a escolas públicas, como a Vila Olímpica da Mangueira, a Vila Olímpica de Vila Isabel e o Parque das Ruínas, em Santa Teresa. Outra unidade, em Laranjeiras, ainda terá o lugar definido. Segundo a produtora cultural Graça Gomes, idealizadora do projeto, o objetivo é dar a crianças e jovens de áreas carentes a oportunidade de ler clássicos e títulos da moda, como a série “Diário de um Banana”, de Jeff Kinney.

— A banca, pela aparência de algo do dia a dia, acaba atraindo a atenção dos jovens. E o projeto tem o objetivo de captar essas pessoas e levá-las para a leitura, formando novos leitores — explica Graça, que viabilizou o projeto pelo Programa de Fomento à Cultura Carioca, da Secretaria municipal de Cultura.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/banca-de-livro-leva-classicos-lancamentos-para-areas-carentes-17205865#ixzz3jkIqgbg1
© 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Acessibilidade: Câmara aprova acordo para ampliar acesso a livros em braile, audio e daisy

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira o texto do Tratado de Marraqueche, assinado pelo Brasil em 2013. A proposta (PDC 57/15) foi aprovada em primeiro turno com 341 votos favoráveis e apenas um contrário. O acordo busca retirar qualquer barreira à distribuição de obras impressas em formatos acessíveis: braile, Daisy (Digital Accessible Information System – sistema de informação digital acessível) ou áudio book.

A intenção é beneficiar deficientes visuais e outras pessoas com dificuldade de leitura, a exemplo dos disléxicos.
Por se tratar de tratado sobre Direitos Humanos, o acordo será equiparado à Emenda à Constituição. Assim, o texto foi aprovado em primeiro turno e ainda precisa de uma nova votação em Plenário. Continua. Fonte: Ag. Câmara.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência da Informação: Biblioteconomia e arquivologia

Cidade da Romênia oferece transporte público de graça para passageiros que leem

Reprodução

Victor Miron, um jovem da Romênia, queria promover a leitura em seu país. Ele acredita que é importante recompensar aqueles que leem, sem criticar os que não leem.

Com isso em mente, o jovem teve a brilhante ideia de não cobrar passagem de ônibus para pessoas que entram no veículo com um livro em mãos. Victor apresentou a ideia para o prefeito de sua cidade, Emil Boc, que, depois de um ano, aceitou a proposta.

Entre os dias 4 e 7 de junho de 2015, todos que estavam com um livro usaram o transporte público de graça. Continua. Fonte: Catracalivre

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Em Portugual, uma iniciativa que disponibiliza livros nas praias

A biblioteca de Grândola volta, este ano, a disponibilizar mais de 500 livros aos veraneantes de duas praias do município. © CM Grândola

Este Verão, vai ser mais fácil ler um livro à beira-mar. Várias praias do país voltam a disponibilizar aos veraneantes bibliotecas gratuitas instaladas em pleno areal e que, além de reunirem centenas de livros, proporcionam, também, acesso a diversos jornais diários e revistas. Continua. Fonte: Boas Notícias.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência da Informação: Biblioteconomia e arquivologia