Gestão e organização no capitalismo globalizado

Gestão e organização no capitalismo globalizado: história da manipulação psicológica no mundo do trabalho

Prefácio, 11

Apresentação, 13

1 De volta para o futuro: o marketing da inovação no retorno do pré-taylorismo,21

2 Tempos modernos: o contexto socioeconômico gerador do taylorismo, 24

Era uma vez no oeste, 28

O homem dos músculos de aço, 36

3 Ligações perigosas: taylorismo, sindicatos e Estado, 43

O taylorismo soviético, 45

4 Metrópolis: ciência como prosperidade na utopia redentora da

OCT,  49

Teoria da eficiência do fordismo, 55

Fordismo como projeto de regulação da economia, 57 Resistência ao taylorismo na Europa da década de 1920, 58

La classe operaria va in paradiso, 59

Princípios da hierarquia militar no fayolismo, 61

O fim do sonho· americano: estilhaços da crise de 1929, fordismo e taylorismo soviético,  66

Relações de funcionalidade entre Estado e setores do capital; 67

É dando que se recebe: economia das reciprocidades como estratégia de modelização da percepção do trabalho, 72

O operário-padrão soviético, 72

6 Assim caminha a humanidade: a Segunda Guerra Mundial e o recrudescimento disciplinar, 75

7 Máquinas mortíferas: tensão máxima e intensificação do trabalho, 79

Sinais de esgotament? do fordismo: a “retaylorização”, 81

8 Sem destino: a utopia da sociedade alternativa, 84

A insustentável leveza do ser, 87

Estranhos no ninho, 88

9 O império contra-ataca: o agravamento da crise fordista nos anos 1970, 91

Dragão vermelho: a disciplina de fogo no taylorismo chinês, 95

 10 O ovo da serpente: consolidação do pós-fordismo e ascensão do neoliberalismo, 99

11 Corações e mentes: as novas formas de autocoação, 105 As regras do jogo, 106

Projeto Saturn em busca da “gestão do inconsciente”, 110

12 Era uma vez em Tóquio: modelo japonês no contexto pós-fordista, 114

Ou tudo ou nada: flexibilização e sobrevivência, 117

Elementos do toyotismo, 118

Questões comportamentais no modelo japonês, 120 A máquina do tempo: Taylor ressurrecto, 122

A modernização conservadora, 125

Reordenação da subjetividade do trabalho, 128

13 Sistema just in time: velocidade máxima e estoque mínimo, 132 Management by stress: vivendo no limite, 136

Luzes da ribalta: o teatro da produção, 138

JIT x JB (jeitinho brasileiro): oportunismo e atraso nos pagamentos, 140

14 Roda da fortuna: padronização de subjetividades e regulação de conflitos nos Círculos de Controle da Qualidade, 144

Sonho impossível: participação sem conflitos, 146

Hierarquia e poder na estrutura do CCQ, 150

15 Em nome da honra: cultura como trampolim para o modelo pós-fordista japonês, 154

De imperadores, daimiôs e xóguns, 155

Era Meiji: industrialização e renas cimento cultural, 156 O Japão no pós-guerra, 158

No final do século XX: excesso de trabalho e demissão forçada, 159

Créditos podres: o segredo do milagre dos anos 1980, 163

Educação japonesa: cotidiano exercício de submissão, 165

A competição feroz pelas melhores faculdades, 168

Miai hightech: casamentos arranjados nas empresas de alta tecnologia, 169

O lugar inferior das mulheres e a opção pelo celibato no Japão contemporâneo, 171

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s