Arquivo da categoria: Frases-na-literatura

frases de literatos

Quem ri por último, ri Millôr

O brasileiro Millôr Fernandes, homenageado este ano na Festa Literária Internacional de Paraty, publicou uma página de humor no jornal português Diário Popular em plena ditadura, durante quase dez anos.Pedimos a portugueses para lerem textos deste pistoleiro da frase curta e paradoxal.”Vejam o resultado! http://bit.ly/1r34tML

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura, Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Maravilhosas citações dos nossos livros de cabeceira

Sentimento do Mundo, de Carlos Drummond de Andrade

Veja mais. Fonte: Educar para Crescer.

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura, Literatura, Livros, Língua Portuguesa

40 frases clássicas de escritoras famosas

Recentemente publiquei uma seleção com 50 frases clássicas de escritores célebres. A ideia foi retirada de um ensaio publicado pelo jornal inglês “The Observer”. Embora a seleção tenha contemplado escritores de díspares perfis, nacionalidades e épocas, alguns leitores questionaram o fato de apenas três mulheres fazerem parte da seleção. Diante da indagação, fiz uma nova versão da lista, desta vez incluindo apenas escritoras. A autenticidade de cada frase foi checada para não incorrer nos risco das falsas atribuições em meio a profusão de textos apócrifos e equívocos relativos à autoria.

Diferentemente do ensaio publicado pelo “The Observer”, não selecionei apenas frases ditas textualmente, mas também aquelas fictícias, que foram emprestadas às personagens e obras por intermédio de seus criadores. Além de frases fictícias, há também frases retiradas de entrevistas e textos ensaísticos. Abaixo, em ordem de alfabética, as 40 frases escolhidas, sem repetir autoras. Fonte: Revista Bula

“Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio.” (Alice Walker)
“Porque amei a vida, não terei nenhuma tristeza ao morrer.” (Amelia Burr)
“Ajusto-me a mim, não ao mundo.” (Anaïs Nin)
“Um homem beijar a sua mão pode ser uma delícia, mas uma pulseira de safiras e diamantes dura para sempre.” (Anita Loos)
“Toda dominação pessoal, psicológica, social e institucionalizada nessa terra pode ser remetida a uma mesma fonte original: as identidades fálicas dos homens.” (Andrea Dworkin)
“A liberdade é incompatível com o amor: um amante é sempre um escravo.” (Baronne De Staal)
“Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e voltar sempre inteira.” (Cecília Meireles)
“Uma mente agitada faz um travesseiro inquieto.” (Charlotte Brontë)
“Nossos companheiros perfeitos nunca têm menos de quatro patas.” (Colette)
“Brevidade é a alma da lingerie”. (Dorothy Parker)
“A minha vela arde nas duas pontas; não vai durar a noite inteira.” (Edna St. Vincent Millay)
“O homem é uma fêmea imperfeita.” (Elizabeth Gould Davis)
“Todo meu patrimônio são meus amigos.” (Emily Dickinson)
“A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos.” (Jane Austen)
“Nada é tão bom como parece à primeira vista.” (George Eliot)
“As pessoas que acreditam na inteligência, no progresso e no entendimento são as que tiveram uma infância infeliz.” (Gertrude Stein)
“A verdade te libertará. Mas primeiro ela vai te enfurecer.” (Gloria Steinem)
“Para que faças brilhar tua estrela não precisas apagar a minha.” (Helen Keller)
“No amor existem duas coisas: corpos e palavras.” (Joyce Carol Oates)
“A mulher que se preocupa em evidenciar a sua beleza anuncia ela própria que não tem outro maior mérito.” (Julie de Lespinasse)
“Eu quero ser tudo que sou capaz de me tornar.” (Katherine Mansfield)
“Trocar de marido é só trocar de encrenca.” (Kathleen Norris)
“A vida é uma sacanagem de merda e cada segundo de lucidez é um suplício.” (Lolita Pille)
“Me leia enquanto estou quente.” (Lygia Fagundes Telles)
“Na vida você tem de escolher entre tédio e sofrimento.” (Madame de Staël)
“Os homens gostam das mulheres que escrevem. Mesmo que não o admitam. Uma escritora é um país estrangeiro.” (Marguerite Duras‬)
“É um erro ter razão cedo demais.” (Marguerite Yourcenar)
“Humildade é ser invulnerável.” (Marie Freifrau von Ebner-Eschenbach)
“Dormiu pouco, sente-se mal? Chocolate fará você reviver.” (Marquesa de Sévigné)
“Se Deus é macho, então o macho é Deus. O patriarca divino castra as mu­lheres enquanto ele for autorizado a viver na imaginação humana.” (Mary Daly)
“No fundo sabemos que o outro lado de todo o medo é a liberdade.” (Marilyn Ferguson)
“Tudo o que perdemos, automaticamente dobra de valor.” (Mignon McLaughlin)
“Não se nasce mulher: torna-se.” (Simone de Beauvoir)
“Tenha até pesadelos, se necessário for. Mas sonhe.” (Patrícia Galvão)
“Doer, dói sempre. Só não dói depois de morto. Porque a vida toda é um doer.” (Rachel de Queiroz)
“Respirei fundo e escutei o velho e orgulhoso som do meu coração. Eu sou, eu sou, eu sou.” (Sylvia Plath)
“O sucesso é o insucesso de alguém.” (Ursula Kroeber Le Guin)
“Chamar a um homem de animal é lisonjeá-lo; ele é uma máquina, um vibrador com pernas.” (Valerie Solanas)
“O pior sentimento que se pode oferecer a uma mulher é a piedade.” (Vicki Baum)
“O que é uma mulher? Eu lhes asseguro, eu não sei. Não acredito que vocês saibam.” (Virginia Woolf)

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

50 frases clássicas de escritores célebres

Seguindo a ideia de um ensaio com frases de personalidades históricas, publicado pelo jornal inglês “The Observer”,  reuni neste post 50 frases célebres de escritores de díspares perfis, nacionalidades e épocas — de Shakespeare a Guimarães Rosa. Diferentemente da lista publicada pelo “The Observer”, não selecionei apenas frases ditas textualmente, mas também aquelas fictícias, que foram emprestadas às personagens e obras por intermédio de seus criadores, como os casos de “O horror! O horror!”, últimas palavras do capitão Kurtz antes de morrer, do livro “O Coração das Trevas”, de Joseph Conrad; ou “Todas as famílias felizes se parecem; cada família infeliz é infeliz à sua maneira”, trecho inicial de “Anna Kariênina”, de Tolstói. Além de frases fictícias, há também frases retiradas de entrevistas, textos ensaísticos e biografias, como a célebre “Luz, mais luz” que teria sido as últimas palavras do poeta alemão Johann Wolfgang Goethe. Abaixo, em ordem de alfabética, as 50 frases escolhidas, sem repetir autores.

“Não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos.”
Anaïs Nin
“A moral é a debilidade do cérebro.”
Arthur Rimbaud
“O que realmente deixa um homem lisonjeado é o fato de você o considerar digno de adulação.”
Bernard Shaw
“Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante.”
Carlos Drummond de Andrade
“Respirar é uma doença!”
Charles Bukowski

Veja mais: Revista Bula

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

40 frases impagáveis do Barão de Itararé

Barão de Itararé

Um grande humorista ganhou uma biografia alentada, “Entre Sem Bater — A Vida de Apparício Torelly, o Barão de Itararé” (Casa da Palavra, 480 páginas), de Cláudio Figueiredo. Criador do jornal “A Manha”, o Barão ridicularizava ricos, classe média e pobres. Não perdoava ninguém, sobretudo políticos, donos de jornal e intelectuais.

Ele não era barão, é claro. Mas deu-se o título de nobre e nobre se tornou. O primeiro nobre do humor no Brasil. Debochava de tudo e de todos e costumava dizer que, “quando pobre come frango, um dos dois está doente”. Ele é um dos inventores do contra-politicamente correto.

Há muito que o gaúcho Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly (1895-1971) merecia uma biografia mais detida. Em 2003, o filósofo Leandro Konder lançou “Barão de Itararé — O Humorista da Democracia” (Brasiliense, 72 páginas). O texto de Konder é muito bom, mas, como é uma biografia reduzida, não dá conta inteiramente do personagem, uma espécie de Karl Kraus menos filosófico mas igualmente cáustico.

Quatro depois, o jornalista Mouzar Benedito lançou o opúsculo “Barão de Itararé — Herói de Três Séculos (Expressão Popular, 104 páginas). É ótimo, como o livrinho de Konder, mas lacunar. No final, há uma coletânea das melhores máximas do humorista, que dizia: “O uísque é uma cachaça metida a besta”.

Clique aqui para conhecer as pérolas deste “barão”. Fonte: Revista Bula.

1 comentário

Arquivado em Frases-na-literatura, Literatura, Livros, Língua Portuguesa

” Ler é o oposto de morrer” – Will Schwalbe, escritor americano.

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

15 frases de Oscar Wilde

2b

Oscar Wilde foi escritor, contista e autor de teatro do fim do século 19.”Bon vivant” e muitas vezes polêmico. Escreveu várias peças de teatro, mas somente um romance: “O retrato de Dorian Grey”. Onde explorou os limites da permissividade em um personagem que alguns diziam ser “autobiográfico”.

Separamos 15 frases de sua autoria com seu humor ácido e de atitude chocante, mesmo para sua época. Clique aqui para ver. Fonte: Leitorcabuloso.

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

20 aforismos de Franz Kafka

Toda a obra de Franz Kafka tem qualquer coisa de parábolas desdobradas em romances e contos; o espírito de Kafka, próximo de Pascal e Kierkegaard, gostava de exprimir-se em parábolas condensadas, em aforismos.

Todas as virtudes são individuais; todos os vícios são sociais.
O ócio é o princípio de todos os vícios e o coroamento de todas as virtudes.

Veja mais na fonte: Revista Bula.

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

Os livros têm os mesmos inimigos que os homens…

“Os livros têm os mesmos inimigos que os homens: o fogo, a umidade, os bichos, o tempo; e o seu próprio conteúdo.” –  Paul Valéry

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

“A Literatura não pode mudar o mundo…

“A Literatura não pode mudar o mundo, mas a minha geração achava que sim… Em todo caso, se a Literatura mudar pessoas, isto já é suficiente. E ela muda.” Moacyr Scliar. Veja mais sobre o autor aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

“Costumo recorrer a citações frequentes, não apenas como adorno do texto, mas como apoio…

…A citação nada mais é que um pensamento coincidente, indicativo de que outro escritor, antes de nós, pensou o que também pensamos e lhe deu forma com a vantagem da precedência. A concordância, no caso, obriga à citação, com o destaque do texto alheio e a indicação da autoria respectiva.” Josué Montello.

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

Um bom poema…

Fonte: Estante Seletiva

2 Comentários

Arquivado em Frases-na-literatura

50 frases clássicas de escritores célebres

Seguindo a ideia de um ensaio com frases de personalidades históricas, publicado pelo jornal inglês “The Observer”,  reuni neste post 50 frases célebres de escritores de díspares perfis, nacionalidades e épocas — de Shakespeare a Guimarães Rosa. Diferentemente da lista publicada pelo “The Observer”, não selecionei apenas frases ditas textualmente, mas também aquelas fictícias, que foram emprestadas às personagens e obras por intermédio de seus criadores, como os casos de “O horror! O horror!”, últimas palavras do capitão Kurtz antes de morrer, do livro “O Coração das Trevas”, de Joseph Conrad; ou “Todas as famílias felizes se parecem; cada família infeliz é infeliz à sua maneira”, trecho inicial de “Anna Kariênina”, de Tolstói. Além de frases fictícias, há também frases retiradas de entrevistas, textos ensaísticos e biografias, como a célebre “Luz, mais luz” que teria sido as últimas palavras do poeta alemão Johann Wolfgang Goethe. Abaixo, em ordem de alfabética, as 50 frases escolhidas, sem repetir autores.

“Não vemos as coisas como elas são, mas como nós somos.”
Anaïs Nin
“A moral é a debilidade do cérebro.”
Arthur Rimbaud
“O que realmente deixa um homem lisonjeado é o fato de você o considerar digno de adulação.”
Bernard Shaw
“Há livros escritos para evitar espaços vazios na estante.”
Carlos Drummond de Andrade
“Respirar é uma doença!”
Charles Bukowski

Veja mais: Revista Bula

2 Comentários

Arquivado em Frases-na-literatura

Os livros não matam a fome…

Fonte: Causas Perdidas

Deixe um comentário

Arquivado em Frases-na-literatura

Em toda a biblioteca há espirítos

Library: book city (ilustração de Colin Thompson)
“Penso que em toda a biblioteca há espíritos. Esses são os espíritos dos mortos que só despertam quando o leitor os busca. Assim, o ato estético não corresponde a um livro. Um livro é um cubo de papel, uma coisa entre coisas. O ato estético ocorre muito poucas vezes, e cada vez em situações inteiramente diferentes e sempre de modo preciso. (…) Detenhamo-nos nesta ideia: onde está a fé do leitor? Porque, para ler um livro, devemos acreditar nele? Se não acreditamos no livro, não acreditamos no prazer da leitura. (…) Acompanhamos a ficção como acontece, de alguma maneira, no sonho.”
Jorge Luís Borges, in “Camões, por Jorge Luis Borges”, jornal O Estado de São Paulo

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência da Informação: Biblioteconomia e arquivologia, Frases-na-literatura