Burnout: síndrome de esgotamento

Burnout: síndrome de esgotamento

Você está sem forças? Nada o alegra? Infelizmente trata-se de um problema comum nos dias de hoje e que tem até nome: síndrome de esgotamento ou burnout — ou trabalhador queimado numa tradução livre. A boa notícia é a de que é possível combater esse problema.

Um site russo publicou a pesquisa de um conhecido psicoterapeuta austríaco, Alfried Langle, no qual são apresentados detalhes da síndrome. Com a autorização da fonte, o Incrível.club apresenta aqui os resultados da pesquisa.

A síndrome é um sintoma dos nossos tempos; é uma condição de esgotamento tamanha que nos leva a uma paralisia de forças e sentimentos que acaba se convertendo numa perda da vontade de viver. Os casos dessa síndrome são cada vez mais frequentes. Antes relacionada apenas a trabalhos sociais, a síndrome vem se espalhando também para outras profissões.

Uso excessivo da tecnologia, foco demasiado no consumo e materialismo sai fatores que contribuem com o problema. A questão de fundo é a de que nos exploramos e deixamos que nos explorem. Continua. Fonte: Incrível.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Artigos e entrevistas

2 Respostas para “Burnout: síndrome de esgotamento

  1. MARCIA MARINHO

    Sou estudante de Direito, estou iniciando um artigo científico, o tema sugerido é Sindrome de Burnout na segurança pública. Gostaria de saber se é possível que me indicasse alguns livros que abordam esse tema?
    Fico no aguardo.

    • Prezada Márcia,

      A consulta ao acervo das Bibliotecas do MPT pode ser feita no link https://biblioteca.mpt.mp.br/pergamum/biblioteca/index.php.
      Após a pesquisa, em caso de interesse, poderemos fornecer cópia digital de artigos ou de um capítulo de livros.
      Abaixo segue uma bibliografia da base de dados da Rede de Bibliotecas do MPT:
      NASSIF, Elaine Noronha. Burnout, mobbing e outros males do stress: aspectos jurídicos e psicológicos. Revista LTr São Paulo , v.70, n. 6, p. 728-734, jun. 2006.

      BURNOUT: quando o trabalho ameaça o bem-estar do trabalhador. 4.ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. 282 p. ISBN 9788562553448.
      Número de chamada: PGT2 341.65 B966b 4.ed. (PGT)

      CODO, Wanderley; MENEZES, Ione Vasques-. Burnout: sofrimento psíquico dos trabalhadores em educação. São Paulo: [s.n.], 2000. 54 p. (Cadernos em saúde do trabalhador; 14)
      Número de chamada: 342.617 223 C671b (PRT2)

      FONSECA, José Geraldo da. Burnout. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, Goiânia, vol. 15, p. 162-165, dez. 2012.

      VIEIRA, Isabela. Conceito(s) de burnout: questões atuais da pesquisa e a contribuição da clínica = Concept(s) on burnout: current themes in research and the contribution of clinical practice. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo , v. 35, n. 122, p. 269-276, jul. /dez. 2010.

      VIEIRA, Fernando Borges. Sindrome de burnout: doença do esgotamento profissional. Jornal Trabalhista Consulex, Brasília , v.32, n.1562, p. 8-9, 12 jan. 2015.

      SALVADOR, Luiz; CALIA, Luciana Cury. Síndrome de Burnout doença profissional que causa estresse e até mesmo a incapacidade total para as atividades laborais. LTr Suplemento Trabalhista São Paulo v. 39, n. 57, p. 267-9, 2003.

      MAIA, Leandro Dias de Godoy; MENDES, Patrícia Helena Costa; SILVA, Nicácio Dieger. Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde: aspectos de sua formação e prática = Burnout syndrome among community health agents: aspects of their training and practice. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo , v. 35, n. 121, p. 93-102, jan. /jun. 2010.

      SILVA, Jorge Luiz de Oliveira da. A síndrome de Burnout como consequência do assédio moral no ambiente de trabalho. In: FARAH, Bruno; ARAÚJO, Adriane Reis De. Assédio moral: novas modulações do sofrimento psíquico nas empresas contemporâneas. São Paulo : LTr, 2016. Sem volume, p.59-68
      Número de chamada: 342.1513 A844m (PRT2)

      FREITAS, Cláudio Victor de Castro; BOYNARD, Carolina Braga. A Síndrome de Burnout: evolução social, doutrinária e jurisprudencial de uma doença ocupacional. Revista de Direito do Trabalho, São Paulo , v. 38, n. 146, p. 47-74, abr. 2012.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s