Arquivo do dia: 24/09/2015

Clementinum, uma das bibliotecas mais maravilhosas do mundo

O Clementinum fica em Praga, República Tcheca (Foto: sean yan | reprodução)

O Clementinum fica em Praga, República Tcheca (Foto: sean yan | reprodução)

Bibliotecas definitivamente não são apenas edifícios construídos para abrigar livros. Em termos práticos, elas podem até ter essa finalidade, mas a verdade é que são algo muito mais especial do que isso. Há algo de mágico no ar das bibliotecas. É como se as incontáveis obras literárias que repousam serenas em suas prateleiras concedessem sacralidade ao lugar. Penso nos livros como materializações empoeiradas das ideias de seres humanos que deixaram este mundo há muito tempo. Ou, em alguns casos, de autores que ainda vivem – todos se encontram na biblioteca. É ali, naquele templo democrático do saber, que o conhecimento da humanidade se condensa dentro de miolos e lombadas, tornando-se eterno e maravilhosamente acessível.

Muitas bibliotecas não são belas apenas no aspecto simbólico: várias delas são construções majestosas que contribuem ainda mais para o ar sagrado que domina o ambiente. É o caso do Clementinum, que fica em Praga, na República Tcheca. Ele foi eleito pelo site Bored Panda como a biblioteca mais bonita do mundo. Construído em 1722, o edifício é uma pérola da arquitetura barroca. O Clementinum abriga cerca de 20 mil livros e foi por muito tempo considerado como o terceiro maior colégio jesuíta do mundo. O teto é repleto de afrescos do pintor Jan Hiebl. Confira algumas fotos. Fonte: Revista Galileu.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência da Informação: Biblioteconomia e arquivologia

No DF, Projeto de Lei pretende proibir motor dianteiro nos ônibus

Saiba mais: http://goo.gl/w779Th

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias gerais

Frigorífico da JBS é condenado a pagar R$ 1 mi por terceirização irregular

O frigorífico Céu Azul Alimentos –cujos ativos pertencem, em parte, ao Grupo JBS, dono da Seara e Friboi– foi condenado pela Vara do Trabalho de Itapetininga (172 km a oeste de São Paulo) a pagar indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 1 milhão por terceirização ilícita. A empresa pode recorrer da decisão.

Com a sentença, o frigorífico fica impedido de contratar empresas terceirizadas para a prestação de atividades essenciais para o negócio (atividade-fim), como corte e embalagem, serviços na plataforma de frango vivo, expedição e câmara fria, manutenção, limpeza e refeitório.

Caso a decisão seja descumprida, haverá multa diária de R$ 10 mil por empregado encontrado em situação irregular, reversível para o trabalhador prejudicado. Continua. Fonte: UOL.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias jurisprudenciais

Posso vender minhas férias?

Apesar da maioria dos trabalhadores desejarem muito o período de férias, há aqueles que preferem trabalhar alguns dias dela para receber um pouco mais de dinheiro. Mas você sabe o que o artigo 143 da CLT diz sobre isso?

Confira: http://bit.ly/1gOKGCq Fonte: TST

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Contratantes não são responsáveis por verbas trabalhistas de fiscal de terceirizados que não prestava serviços diretos

Um fiscal operacional da EBV Empresa Brasileira de Vigilância Ltda., do Paraná, tentou responsabilizar subsidiariamente os vários tomadores de serviço da empregadora por suas verbas trabalhistas, mas teve o agravo de instrumento desprovido pela Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho.

Na reclamação trabalhista, ajuizada na 1ª Vara do Trabalho de Curitiba, o fiscal indicou, além da EBV, uma extensa lista de tomadores do serviço, entre bancos, empresas estatais, indústrias e estabelecimentos comerciais, hotel e agência de propaganda. Ele alegou que, na condição de fiscal dos vigilantes, fazia visitas aos tomadores do serviço para verificar o bom andamento dos serviços, com visitas diárias de cerca de 30 minutos a vários postos. Por isso, acreditava que os contratantes utilizavam sua mão de obra e deveriam, portanto, responder pelas verbas trabalhistas não quitadas.

O pedido foi julgado improcedente em primeiro grau, com o entendimento de que sua atividade era operacional e beneficiava apenas a EBV, e não os tomadores do serviço. Continua. Fonte: TST

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias jurisprudenciais