Arquivo do dia: 25/05/2015

Desigualdade de salários entre homens e mulheres mais que dobra em 12 anos

O mercado formal de trabalho sempre foi mais favorável aos homens do que às mulheres, e, nos últimos anos, isso se intensificou.

A diferença nos salários de contratação mais do que dobrou entre 2003 e este ano, apontam dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

Em 2003, os salários médios de admissão de mulheres contratadas com carteira assinada era de R$ 824 e o dos homens era R$ 882, um valor 6,85% maior. Já em março deste ano, a diferença de remuneração chegou a 14,38%.

Uma possível explicação para a crescente desigualdade é que, nesse período, os trabalhadores se qualificaram e a disparidade entre as remunerações dos gêneros aumenta à medida que cresce a escolaridade. Continua. Fonte: Folha de São Paulo.

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Benzeno é ameaça a frentistas e empregados do setor petroquímico; Estudos e ações na Justiça denunciam exposição de trabalhadores a substância cancerígena

O frentista Francisco Chagas, há dez anos na profissão: “Estou começando a entender o problema do benzeno e explico ao motorista que não pode encher tudo” – Antonio Scorza
(…) “Muitos nunca ouviram falar do benzeno, mas convivem com ele diariamente. No passado, foi bastante usado, até em loção pós-barba. O crescente número de estudos demonstrando seus malefícios foi eliminando-o do convívio. A Agência Internacional de Pesquisa em Câncer classifica-o como cancerígeno do grupo 1 (nível mais alarmante), e a Organização Mundial de Saúde diz que a exposição a ele é “uma preocupação prioritária de saúde pública”. Proveniente da destilação do carvão e do petróleo, está nos processos produtivos de indústrias petroquímica e siderúrgica. É encontrado na gasolina, na tinta e no plástico; está até no cigarro. Desde a década de 1980, sindicatos vêm intensificando o alerta do risco sofrido por profissionais de determinadas áreas das empresas. E recentemente mais um grupo tem ganhado atenção: os frentistas.”

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/estudos-acoes-na-justica-denunciam-exposicao-de-trabalhadores-substancia-cancerigena-16247071#ixzz3bAwDu3rv
© 1996 – 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Projeto autoriza suspensão do contrato de trabalho quando empregador não puder manter a produção

De acordo com o projeto, suspensão do contrato de trabalho poderá ser de dois a cinco meses e fica dispensada a obrigação de oferta de curso de qualificação ao empregado durante o período de afastamento (que já existe na legislação atual). Entenda: http://bit.ly/1cWh04D

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias legislativas

Cegueira deliberada trabalhista

por Amanda Fernandes Ferreira Broecker, procuradora do Trabalho em Mato Grosso

Nos últimos 50 anos, o Direito do Trabalho tem sofrido severos ataques, sob a retórica da modernização e da maior competitividade empresarial. A lei do FGTS e do contrato temporário, o banco de horas, dentre outras, são alterações que objetivaram flexibilizar e reduzir direitos historicamente conquistados.

O mais recente ataque aos direitos trabalhistas atende pelo nome de Projeto de Lei n. 4.330/2004, aprovado pela Câmara dos Deputados e encaminhado ao Senado Federal. A proposta, que agora tramita como Projeto de Lei da Câmara n. 30/2015, permite a terceirização sem limites de toda e qualquer atividade de uma empresa. Atualmente, a permissão é estendida apenas às atividades-meio.

É claro que o fenômeno da terceirização não é recente, do contrário não teríamos 12 milhões de terceirizados no Brasil. Mas engana-se quem pensa que o PLC n. 30/2015 regulamentará a precária situação desses trabalhadores. Se virar lei, provocará a dispensa em massa de muitos dos 35 milhões de brasileiros que têm um emprego direto. Hoje, um trabalhador terceirizado possui salário 24,7% inferior ao pago a um contratado direto, mas trabalha, em média, três horas semanais a mais. São também o maior alvo de assédio moral, discriminação e trabalho escravo.Além disso, a cada 10 acidentes de trabalho fatais, oito envolvem trabalhadores terceirizados. As obras da Copa do Mundo são um exemplo claro dessa matemática: dos 12 acidentes de trabalho com óbito, 11 vitimaram terceirizados. Continua. Fonte: Gazeta Digital.

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

25 de maio: dia do trabalhador rural

Foto de TRT MG.Fonte: TRT/3 no fb

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Humor bibliotecário (gifs): Quando ainda não terminei o livro e querem me contar o que acontece no final

Fonte: Editora Contexto

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias