Arquivo do dia: 31/03/2015

USP cria biblioteca digital de obras raras e especiais

Biblioteca Digital da USP, lançada em 2013, sob a responsabilidade da Divisão Biblioteca de Obras Raras e Especiais do Departamento Técnico do SIBiUSP, é constituída de material bibliográfico diversificado – livros, folhetos, revistas, jornais dentre outras tipologias cobrindo do século XV a XX – e selecionado segundo parâmetros que o considerem raro ou precioso, definidos pelo SIBiUSP sempre com assessoramento de especialistas na área, podendo incluir obras antigas, mas também obras únicas, inéditas, ou parte de edições especiais, encadernações de luxo, ilustrações especiais ou mesmo com autógrafo de personalidades célebres. Além disso, inclui documentação histórica da própria Universidade, cujas ações impactam tanto a vida e costumes de diferentes épocas de nosso estado e país, quanto o desenvolvimento nacional de várias áreas do conhecimento. Fonte: História Hoje.

Clique aqui para acessar a Biblioteca Digital de Obras Raras e Especiais – USP

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Ainda a escravidão (ensaio fotográfico)

Expectativa de atividade no corte da cana é de 12 anos. / Marcio Pimenta (Pública)

Na década de 80, a cada quinze dias eu cruzava as estradas do Recôncavo com os meus pais em direção ao sítio onde passávamos o tempo livre. Saindo da capital do estado, Salvador, nos meses de janeiro a março, eu sabia que quando surgisse no ar o odor das queimadas nas plantações de cana de açúcar atravessaríamos a bela ponte Imperial Dom Pedro II – inaugurada com a presença do próprio imperador – e logo estaríamos em nosso destino. Percorríamos as queimadas das plantações de cana por quilômetros e mais quilômetros e, do carro, eu podia ver dezenas de homens de um vigor que impressionava, todos eles negros e sujos de fuligem, cortando ou carregando grandes troços de cana. Continua. Fonte: El País.

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Pesquisa diz que 40% das mulheres policiais já sofreram assédio sexual ou moral

Maior parte das vezes quem assedia é um superior dentro das próprias corporações. Apenas 11,8% das mulheres nas polícias denunciam abuso.

Assista à reportagem do Fantástico.

O trabalho delas é proteger as pessoas. Mas, muitas vezes, são elas que precisam de proteção. Você vai ver o resultado de uma pesquisa inédita sobre assédio contra mulheres policiais dentro de suas próprias corporações. São relatos dramáticos.

Relatos parecidos ecoam pelos corredores das delegacias e quartéis. Mulheres policiais assediadas por outros policiais. De tão frequentes, os casos viraram tema de uma pesquisa inédita do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e da Fundação Getúlio Vargas.

Os dados são sombrios: 40% das entrevistadas disseram já ter sofrido assédio moral ou sexual no ambiente de trabalho. A maior parte das vezes quem assedia é um superior. O levantamento foi feito com mulheres das guardas municipais, pericia criminal, Corpo de Bombeiros e das Policias Civil, Militar e Federal. Tudo de forma anônima. Não à toa. A pesquisa também mostrou que só 11,8% das mulheres denunciam que sofreram abuso. Continua. Fonte: Fantástico.

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Dicas de leitura (72): terceirização

3 livros 72

Conheçam algumas das publicações que ingressaram no acervo da Biblioteca do MPT/RN e encontram-se disponíveis aos leitores.

DELGADO, Gabriela Neves; AMORIM, Helder Santos. Os limites constitucionais da terceirização. São Paulo: LTr, 2014. 167 p.

MERCANTE, Carolina Vieira BRASIL. Terceirização sem calote: manual de atuação da Coordenadoria Nacional de Combate às Irregularidades Trabalhistas na Administração Pública. Brasília: MPT, 2015. 294 p.

MARTINS, Sérgio Pinto. A terceirização e o direito do trabalho. 13. ed., rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2014. 188 p.

Veja referências e sumários

Deixe um comentário

Arquivado em Dicas de leitura

Comissão aprova exigência de condições adequadas para garis fazerem refeição

A proposta que obriga as empresas de coleta de lixo a estabelecer horário e local específicos para que seus funcionários, inclusive os terceirizados, possam fazer a refeição de maneira adequada.

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público aprovou, na última quarta-feira (25), proposta que obriga as empresas responsáveis pelos serviços de limpeza de ruas e coleta de lixo urbano a estabelecer um horário e um local específicos para que seus funcionários, inclusive os terceirizados, possam fazer a refeição de maneira adequada.

A medida está prevista no Projeto de Lei (PL) 5649/13, da deputada Erika Kokay (PT-DF), que acrescenta artigo à Lei das Licitações (Lei 8.666/93). O projeto recebeu parecer favorável do relator, deputado Vicentinho (PT-SP). “Trata-se de dar dignidade a essa importante categoria profissional, além de promover tratamento isonômico a esses trabalhadores quando comparados a trabalhadores de outros segmentos”, disse o relator. Continua. Fonte: ag. Câmara.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias legislativas

Igreja tem que provar que não lucra para se isentar de contribuição sindical

Igrejas têm que comprovar ao Ministério do Trabalho e Emprego que não exercem atividades econômicas com fins lucrativos para se isentarem do pagamento das contribuições sindicais.

Com base nesse entendimento, a 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho não acolheu recurso da Igreja Universal do Reino de Deus contra condenação que determinou o pagamento de R$ 3,7 milhões em contribuições ao Sindicato das Entidades Culturais Recreativas de Assistência Social de Orientação e Formação Profissional de Mato Grosso do Sul. Continua. Fonte: Conjur.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias jurisprudenciais

“isto por aquilo” assédio sexual é abuso do poder hierárquico

O assédio sexual por chantagem é aquele em que o superior hierárquico condiciona a concessão de uma vantagem à troca de favores de cunho sexual pelo subordinado. Caso este não cumpra a exigência, é ameaçado de perder o emprego ou benefícios contratuais. É também chamado assédio quid pro quo, ou seja, “isto por aquilo”.
Com a alegação de ter passado por esta situação, uma operadora de caixa procurou a Justiça do Trabalho pedindo a condenação de um supermercado de Belo Horizonte por dano moral. Saiba mais em: http://bit.ly/1EVFsKu
Fonte: fb CSJT

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias