Limguistas revelam divergências sobre acordo ortográfico em debate no Senado

Debate realizado na Comissão de Educação (CE) expõe divergências quanto à implantação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em 1990 e que deverá estar implantado no Brasil em janeiro de 2016.

Evanildo Bechara, membro da Academia Brasileira de Letras, defende a adoção das regras previstas no acordo para a uniformização gramatical entre os países que têm a língua portuguesa como idioma oficial — Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, Brasil e Portugal.

Ele nega que o acordo tenha sido rejeitado por Portugal e diz ser compreensível que países que tenham, ao lado do português, línguas locais, como Angola e Moçambique, tenham mais dificuldade em implantar a unificação gramatical.

Já Ernani Pimentel, presidente do Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa, defende a simplificação gramatical com a adoção de critério fonético, ou seja, a escrita das palavras se daria pela forma como se fala.

Para Pimentel, esse sistema tornaria mais simples o processo de alfabetização e atenderia à rapidez da comunicação pela internet, que submete as pessoas a inúmeras palavras novas a cada dia.

Ao discordar do argumento, Bechara afirma que o francês e o inglês são idiomas com gramáticas mais complexas e mesmo assim o ensino dessas línguas é eficiente, devido a boas escolas e professores competentes. Continua. Fonte: Ag. Senado.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s