Arquivo do dia: 01/09/2014

Especialistas, autoridades e sindicalistas debatem sobre as ameaças da terceirização

Veja os melhores momentos da série de debates do seminário A TERCEIRIZAÇÃO NO BRASIL: IMPACTOS, RESISTÊNCIAS E LUTAS, realizado nos dias 14 e 15 de agosto de 2014, em Brasília. Mais de 500 participantes ouviram as intervenções de especialistas, autoridades e sindicalistas sobre o fenômeno que ameaça as relações de trabalho no Brasil.

Basta acessar o canal do grupo de pesquisa “Trabalho, Constituição e Cidadania” no link https://www.youtube.com/channel/UCVgHfOGAN5A8eUr6qPX4MiQ e os 37 vídeos podem ser visualizados.

Material mais curto, com 10 minutos, que reune alguns dos melhores momentos do Seminário, contemplando os diversos atores que dele participaram. Segue o link para o vídeo editado: https://m.youtube.com/watch?v=1Xqd73VXNng

Visite também a página do Grupo de Pesquisa “Trabalho, Constituição e Cidadania” – Faculdade de Direito da UnB http://trabalho-constituicao-cidadania.blogspot.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos

“cabeças vão rolar” e “peças vão ser trocadas”: ameaças a quem não cumpria metas geram indenização de R$ 400 mil

A cobrança excessiva pelo desempenho e cumprimento de metas rendeu ao Santander uma multa de R$ 400 mil.

Depoimentos de empregados e ex-funcionários do banco comprovaram a prática de assédio moral: gerentes falavam palavrões, ameaçavam e constrangiam os contratados. Continua. Fonte: IG.

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

“100 coisas que todo trabalhador deve saber” nº 05: contrato de experiência

5ª coisa que todo trabalhador deve saber:
O contrato de experiência pode incluir uma única prorrogação dentro desses 90 dias.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias gerais

Balconista que foi obrigada a se despir em frente ao gerente vai receber R$ 50 mil de indenização

Uma balconista que foi submetida a revista íntima pelo gerente da empresa Drogaria Rosário S.A, em Anápolis, juntamente com outras cinco colegas de trabalho, vai receber R$ 50 mil de indenização por danos morais. A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (TRT-GO) constatou que foram extrapolados os limites do poder fiscalizatório do empregador, com violação à intimidade e à dignidade da trabalhadora.
Consta dos autos que em novembro de 2013, a balconista e outras cinco colegas foram obrigadas a se despir diante do gerente da empresa, dentro do banheiro da farmácia, após informação do desaparecimento da quantia de R$ 100 do caixa. Conforme a trabalhadora, o gerente determinou que tirassem até mesmo as roupas íntimas. Para ela, tratava-se de pretexto para que as trabalhadoras ficassem nuas na sua presença, já que os R$ 100 não foram encontrados. Segundo informou, nos dias subsequentes o gerente continuou com comentários desabonadores dizendo que, se preciso, elas ficariam “peladas” novamente na sua presença.
O relator do processo, desembargador Platon Filho, afirmou que a revista reflete o poder fiscalizatório do empregador, porém deve ser executada de forma razoável e em consonância com os direitos individuais assegurados pela Constituição Federal, especialmente o direito à dignidade, à intimidade, à honra e à imagem. Dessa forma, a Segunda Turma manteve a decisão de primeiro grau, condenando a empresa à rescisão indireta do contrato de trabalho e ao pagamento de R$ 50 mil de indenização por danos morais. Leia mais.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias jurisprudenciais

Supermercado é condenado por discriminar empregado com deficiência

O Supermercados Imperatriz Ltda. foi condenado pela 6ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC) por aplicar advertência discriminatória a um ex-empregado com deficiência. O tratamento foi comprovado por meio de documento escrito, em que seu superior afirma que o empregado era muito lento ao desenvolver suas funções.
O autor da ação trabalhista tem Síndrome de Down em grau leve e foi contratado para a função de empacotador. Com frequência ele era tratado de forma agressiva pelos seus superiores, com palavras como “retardado”, “tanso” e “molóide”. No entendimento dos desembargadores, ele devia ser avaliado de forma proporcional às suas limitações, e não comparado aos demais trabalhadores.
Considerando o caráter discriminatório da advertência que foi aplicada, incompatível com a inclusão social do trabalhador com deficiência, a empresa foi condenada a pagar ao ex-empregado uma indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil. Leia mais.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias jurisprudenciais

Humor Bibliotecário

Deixe um comentário

01/09/2014 · 9:00