Arquivo do dia: 19/11/2012

Pedimos a 15 convidados — escritores, críticos, jornalistas — que escolhessem os poemas mais significativos de Paulo Leminski. Cada participante poderia indicar entre um e 15 poemas.

Escritor, crítico literário e tradutor, Paulo Leminski foi um dos mais expressivos poetas de sua geração. Influenciado pelos dos irmãos Augusto  e Haroldo de Campos deixou uma obra vasta que, passados 25 anos de sua  morte, continua exercendo forte influência nas novas gerações de poetas brasileiros. Seu livro “Metamorfose” foi o ganhador do Prêmio Jabuti de  Poesia, em 1995. Entre suas traduções estão obras de James Joyce, John  Fante, Samuel Beckett e Yukio Mishima. Na música teve poemas gravados por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Guilherme Arantes; e parcerias com  Itamar Assumpção, José Miguel Wisnik e Wally Salomão.Paulo Leminski morreu no dia 7 de junho de 1989, em consequência de uma cirrose hepática que o acompanhou por vários anos.

Os poemas citados pelos participantes convidados fazem parte do livro  “Melhores Poemas de Paulo Leminski”, organização de Fred Góes, editora Global. Abaixo, a lista baseada no número de citações obtidas.

Bem no Fundo 
No fundo, no fundo,
bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto
a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo
extinto por lei todo o remorso,
maldito seja que olhas pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais
mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas.
(continua) Fonte: Jornal Opção

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

As bibliotecas não têm passado: transformam o antigo em contemporâneo

Por Alberto Manguel

Dizer que uma biblioteca é o repositório da memória de uma sociedade parece implicar que essa memória é algo que está distante no tempo, contemporâneo de Alexandria. A noção de que aquilo que preservamos do esquecimento pode ser tão recente como nossa infância ou a dos nossos avós nos escapa: preferimos pensar na história social como uma história antiga, velha como Matusalém. Em vez disso, as bibliotecas são os principais repositórios de nossa própria história e dão uma espécie de modesta imortalidade àquilo de que o passado deseja se apropriar. As bibliotecas transformam o antigo em contemporâneo. O lugar onde vivemos, as pessoas que vemos todos os dias, possuem histórias documentadas, intencional e involuntariamente, em toneladas de papel e tinta, em retratos e fotografias, em vozes gravadas, em papiro e rolos de cera e formatos eletrônicos. De uma biblioteca, pode-se dizer que não tem passado: tudo é presente ou, se preferirmos, tudo, inclusive este momento e este lugar em que nos encontramos, pertence a um passado no qual continuamos a existir.

Esse passado é o de cada um de nós, mas, sobretudo, é o nosso em conjunto. Uma biblioteca pública sempre guarda em si, implicitamente, a noção de uma certa identidade coletiva. Contudo, podemos perguntar: que elemento, que característica precisa define essa identidade? (continua) Fonte: O Globo

Deixe um comentário

Arquivado em Diversos

Artigo: Fidedignidade informacional no TWITTER: uma questão de confiança

Junio Lima de Carvalho, Guilherme Ataíde Dias

Resumo

Discute a credibilidade informacional do Twitter. Usuários dos diversos extratos sociais consomem e disseminam informações através de ferramentas de microblogging, aonde se tornam os principais catalisadores da rede. Desta forma, contribuem direta e indiretamente em aspectos, como: convivência, reciprocidade, ideias e valores. Analisa a percepção e a estrutura dinâmica do Twitter por partes dos usuários. Enfatiza a necessidade de se procurar em outros meios de comunicação, a veracidade e a confiabilidade informacional, proporcionando nitidez e clareza ao censo crítico dos usuários. Este trabalho é de natureza exploratória e estuda a percepção de confiança dos alunos do 7º período de Comunicação Social da Universidade Federal da Paraíba com relação ao Twitter. Foram aplicados aos sujeitos da pesquisa questionários de cunho quali-quantitativo. Conclui-se que, em meio aos ambientes virtuais, (Twitter) é necessário, questionamento e perspicácia, para filtrar informações tendenciosas e duvidosas. Texto integral. Fonte: Biblionline

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Brasil só perde para os EUA no ranking do número de revistas científicas com acesso aberto

Pesquisadores de várias áreas do conhecimento, bibliotecários e especialistas em ciência da informação reuniram-se no final de outubro em eventos realizados em mais de uma centena de países para discutir os rumos do acesso aberto, expressão que engloba um conjunto de estratégias para difundir a produção científica de forma livre e gratuita por meio da internet. As discussões da 6ª Semana do Acesso Aberto, iniciativa de uma aliança internacional de bibliotecas universitárias, abordaram temas como a influência das plataformas digitais no modo de fazer ciência, mas também foram marcadas por um avanço alcançado recentemente. Em julho, um anúncio feito pelo governo do Reino Unido estabeleceu que, a partir de 2014, todos os artigos científicos que resultarem de pesquisa financiada com recursos públicos deverão estar disponíveis gratuitamente em meios eletrônicos. Significa dizer que ninguém terá de pagar para ter acesso a papers de pesquisadores britânicos financiados por agências governamentais. (continua) Fonte: Revista Pesquisa

Deixe um comentário

Arquivado em E-books, Bibliotecas Digitais

Campanha “É da nossa conta” combate Trabalho Infantil

Para ajudar no enfrentamento do trabalho de crianças e adolescentes com menos de 16 anos no país, a Fundação Telefônica e o Unicef, em parceria com a OIT promovem a campanha “É da nossa conta! O trabalho Infantil e Adolescente”. No Brasil são mais de 3,6 milhões de crianças e adolescentes nessa situação.
Clique aqui para assistir a reportagem. Fonte: Agência Brasil

Deixe um comentário

Arquivado em Fotos, audios e vídeos

O trabalhador autônomo e o risco do vínculo empregatício

Sob o rigor de um complexo sistema de normas trabalhistas, muito empreendedores se dedicam a refletir sobre a melhor forma de equacionar o custo-benefício de suas operações e, como na poderia deixar de ser, a diretriz que os anima é a diminuição dos contundentes encargos trabalhistas e sociais.

Não raras vezes deparamo-nos com alguns empregadores que creem – açodada e equivocadamente – ser uma boa alternativa a substituição de um determinado número de empregados por prestadores de serviços autônomos.

Ocorre, esta “solução” é muito perigosa – posto revestida de ilegalidade – e pode desencadear uma série de consequências indesejáveis e as quais onerarão ainda mais o empregador. (continua) Por Fernando Borges Vieira. Fonte: Migalhas

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias gerais

Ciúme e inveja no trabalho são diferentes em homens e mulheres

Por: Ana Carolina Prado

Não tem jeito: ciúme e inveja são coisas que podem atingir tanto homens quanto mulheres – inclusive no ambiente de trabalho. Mas um estudo realizado por pesquisadores das Universidades de Valência (Espanha), Groningen (Holanda) e Palermo (Argentina) sugere que, na firma, essas questões envolvem algumas diferenças de gênero.

Por exemplo, as mulheres são mais afetadas pela competição sexual do que os homens. Já as habilidades sociais dos colegas podem provocar ciúme e inveja profissional igualmente em ambos os sexos. (continua) Fonte: Superinteressante

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Obras da Copa do Mundo contratam ex-detentos. Em Natal/RN são 83.

Quatro sedes da Copa devem explicar ausência de detentos em obras

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) solicitou informações, por meio de ofícios, aos governadores dos quatro estados que ainda não contrataram reeducandos (detentos, ex-detentos, cumpridores de penas alternativas e  adolescentes em conflito com a lei) para as obras de infraestrutura relacionadas à Copa do Mundo 2014: São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande  do Sul e Pernambuco. O mesmo procedimento foi feito em relação aos
prefeitos das capitais desses estados e também aos presidentes dos respectivos tribunais de Justiça.

(…) A obra com o maior número de contratados por meio do acordo é a do estádio de Natal/RN: 83. Esse avanço resulta de articulação entre o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN), a  Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania e a construtora OAS, responsável pelo empreendimento. Os resultados desta parceria vão além  do trabalho no canteiro de obras do estádio. Alguns reeducandos passaram  a frequentar a Escola OAS, onde, à noite, são alfabetizados ou cursam os níveis fundamental e médio. Depois de Natal vem Belo Horizonte/MG (14  contratados), Cuiabá/MT (12), Salvador/BA (12), Fortaleza/CE (11),  Curitiba/PR (7), Brasília/DF (5) e Manaus/AM (4). (continua) Fonte: CNJ

 

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias gerais

40 anos da morte de João Guimarães Rosa

“As pessoas não morrem, ficam encantadas” – João Guimarães Rosa …
Biografia
João Guimarães Rosa (Cordisburgo MG 1908 – Rio de Janeiro RJ 1967). Contista, romancista, poeta, médico e diplomata. Forma-se em Medicina pela Universidade de Minas Gerais, em 1930. Durante dois anos, exerce a profissão na cidade de Itaguara, no interior mineiro, o que lhe permite conhecer o cotidiano dos sertanejos, que retrataria mais tarde em seus contos, novelas e no romance Grande Sertão: Veredas. Dois anos depois, atua como oficial-médico no 9º. Batalhão de Infantaria em Barbacena, durante a Revolução Constitucionalista. Em 1934, ingressa na carreira diplomática, favorecido pelo seu conhecimento de idiomas, que começa a aprender aos sete anos de idade. Em 1937, recebe prêmio da Academia Brasileira de Letras por seu único volume de poesia, Magma, que o autor mantém inédito (a primeira edição, póstuma, sai em 1997). Nesse mesmo ano, participa de outro concurso com a coletânea de contos Sagarana, que, apesar do voto favorável de Graciliano Ramos, obtém a segunda colocação. O volume é revisado pelo autor e publicado em 1946, obtendo diversas premiações, sendo considerado hoje uma das obras mais importantes da ficção brasileira do século XX. Uma das histórias mais conhecidas de Rosa, A Hora e a Vez de Augusto Matraga, pertencente a esse volume, foi adaptada para o cinema em 1965 pelo diretor Roberto Santos. Em 1961, Rosa ganhou o Prêmio Machado de Assis pelo conjunto de sua obra literária. Foi eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1963, por unanimidade, mas, supersticioso, temendo a morte no momento de sua “consagração”, adia a cerimônia de posse por quatro anos, e veste o fardão em 16 de novembro de 1967. Morre três dias depois, no Rio de Janeiro, aos 59 anos de idade. Foto: Eugenio Silva/revista O Cruzeiro

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Livros, Língua Portuguesa

Ao vivo o 4º Seminário Sobre Informação na Internet

Todos os painéis do 4º Seminário Sobre Informação na Internet, III Gecic  – Congresso Ibero-americano de Gestão do Conhecimento e
Inteligência Competitiva e 10º Workshop Brasileiro de Inteligência Competitiva e Gestão do Conhecimento serão transmitidos via WEB nos dias 19,  20 e 21 de
novembro.
Para acessar use as seguintes URLs
URL 1 – “4º Seminário sobre Informação na Internet”
www.ibict.gluckfilmes.com.br/webcast
URL  2 – “III GeCIC e 10 Workshop”
www.ibict.gluckfilmes.com.br/webcast2___

Deixe um comentário

Arquivado em Diversos

Trabalho X liberdade de pensamento, uma relação delicada

A velha máxima popular de que “a sua liberdade termina onde começa a do outro” pode servir para diversas situações cotidianas, mas, em se tratando do equilíbrio entre os direitos de personalidade e as relações de trabalho, ela se mostra bastante falha. A liberdade de pensamento se apresenta em diversas vertentes: liberdade de consciência, de crença, de manifestação do pensamento e de expressão.

Agora imagine tudo isso multiplicado pelo número de colegas com quem quase todos convivemos diariamente no trabalho. Onde começa a “minha” e onde termina a “sua” liberdade? No ambiente de trabalho, que espaço tem o trabalhador para manifestar suas convicções? Até que ponto ele pode livremente transferi-la para o serviço executado sem interferir no direito alheio? Qual o limite das informações que o empregador pode pedir no processo seletivo, a fim de verificar o “perfil” do trabalhador e sua adequação para o cargo? As respostas, naturalmente, não são fáceis nem definitivas, e exigem a ponderação de diversos valores e garantias constitucionais. (continua) Fonte: TST

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

Uso de redes sociais repercute no ambiente de trabalho

Em tempos de blogs e redes sociais, ações que envolvem direito à liberdade de expressão e demissões por ofensa à honra do empregador revelam um novo cenário nas relações trabalhistas mediadas pelas novas tecnologias. São características do chamado Direito Digital, em que a testemunha é uma máquina e a prova é eletrônica.

Senzala e danos morais

“Senzala Zest – Esta página é destinada a todos aqueles que são ou já foram escravos do Restaurante Zest”, convidava uma ex-empregada do restaurante em um site de relacionamentos, com objetivo de atacar os sócios do estabelecimento. Na comunidade criada, ela ainda alegava a suposta homossexualidade do filho de um dos sócios do restaurante. A empresa entrou com ação por danos morais e ganhou na primeira e segunda instâncias: a trabalhadora foi condenada a pagar indenização de R$ 1 mil aos sócios, com base nos artigos 186 e 197 do Código Civil.

Para a advogada Patrícia Peck Pinheiro, especialista em Direito Digital e autora de obras sobre o tema, as redes sociais funcionam também como canal para a manifestação dos trabalhadores que se sentem injustiçados. Mas situações assim podem gerar sérias consequências. “É a velha história de trazer a mesa de bar para dentro da rede social”, diz ela. “Se uma pessoa desabafa e fala mal da empresa ou do chefe numa mesa de bar, tudo bem, o assunto se limita aos presentes. Mas o que é colocado na internet é visível para terceiros, vira documento publicado, ou seja, 930 milhões de pessoas poderão ver sua mensagem”, explica. (continua) Fonte: TST

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos e entrevistas

19 de novembro: Dia da Bandeira do Brasil

Link permanente da imagem incorporada

Fonte: CNJ

Deixe um comentário

Arquivado em Diversos